Outro preso Saharaui morre numa prisão Marroquina

Os detidos na Prisão Negra de El Aaiún

No domingo, dia 27 de Setembro, outro preso Saharaui morreu na prisão de Tiznit em Marrocos. Bobakar Argun (detido nº 12276, 40 anos de idade) foi condenado a 20 anos de cadeia por um crime comum. De acordo com um grupo de presos Saharauis do mesmo estabelecimento prisional, Bobakar estaria a ajudar os agentes prisionais, quando caiu no chão inconsciente.

As autoridades prisionais chamaram uma ambulância para o levar ao hospital, uma vez que não existem ambulâncias na prisão, contudo a ambulância demorou várias horas para chegar. Terá sido este prolongado atraso na chegada da ambulância, que resultaria na morte de Bobakar. À hora de saida desta noticia, ainda se aguardam os resultados da autopsia, realizada no hospital em Agadir (Marrocos).

Este caso, aumenta o número de mortes dos presos Saharauis nas prisões Marroquinas para quatro este ano, e 11 no total ao longo dos últimos anos. A Adala Reino Unido publicou vários relatórios sobre esses casos, onde denunciava as péssimas condições das prisões marroquinas, especificamente no que respeita a condições sanitárias e de alimentação.

Infelizmente, o relatório das Nações Unidas emitido pelo Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária que foi escrito na sequência de uma visita a Marrocos (09-18 Dezembro de 2013) (A / HRC / 27/48 / Add.5), não incluiu visitas aos presos Saharauis nas prisões Marroquinas . A equipe também não conseguiu visitar células ou zonas comuns nas prisões.

Abdul Jalil Laaroussi Outro preso político Saharaui, Abdul Jalil Laaroussi, caiu inconsciente em 26 de Setembro de 2015 por volta das 18h em Salé 1 prisão em Marrocos. De acordo com declarações da família, Abdul Jalil Laaroussi esteve inconsciente cerca de uma hora e meia antes da administração penitenciária lhe fazer quaisquer tipo de exames médicos..

Abdul Jalil Laaroussi

Abdul Jalil Laaroussi nasceu em 1978 em El Aaiún, no Sahara Ocidental. Foi detido em 12 de Novembro de 2010, em Bojador (Sahara Ocidental). De acordo com a sua esposa, Salma Aiwana, Abdul teria tido uma hemorragia grave do nariz e uma forte dor no joelho direito, tendo sido torturado com uma barra de ferro aquando da sua detenção.

A Adala Reino Unido pede à Comunidade Internacional, em particular à ONU, para exortar as autoridades marroquinas a manter um nível mínimo de segurança e higiene para todos os presos nas prisões marroquinas e garantir o seu acesso a tratamento médico. Também continuamos a pedir que todos os prisioneiros políticos sejam libertados imediata e incondicionalmente.

Anuncios

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s